Fitomedicina

Unha-de-gato

Texto: Raquel Marçal, de Curitiba |23 de janeiro de 2012

Nativa da Amazônia, ela fortalece o sistema imunológico além de exibir propriedades anti-inflamatórias. Por isso, é investigada para tratar várias doenças
chamada

Por mais de 2000 anos, os índios que habitam a Amazônia peruana têm usado a Uncaria tomentosa como remédio para tratar males como gastrite, artrite e inflamações em geral. A planta, nativa da região, teria sido usada também pelos incas. Mas a espécie só foi descrita pela primeira vez no século 19 e, por causa de seus espinhos afiados, foi batizada popularmente de unha-de-gato.

Desde os anos 1970, seus poderes anti-inflamatórios e sua capacidade de fortalecer o sistema imunológico vêm sendo comprovados em laboratórios mundo afora e, hoje, a espécie é investigada não apenas no alívio de inflamações do reumatismo, uma de suas principais indicações. A Uncaria é citada também em estudos relacionados ao câncer, ao Mal de Alzheimer e à endometriose.

Mais de 50 princípios ativos já foram isolados da planta, mas o grupo que apresenta mais atividades farmacológicas é o dos alcaloides. “Eles possuem propriedades antivirais e estimulam a produção das células de defesa”, explica a farmacêutica Isanete Geraldine Biesk, estudiosa de plantas medicinais.

A presença dessa classe de substâncias pode explicar, por exemplo, os bons resultados obtidos em um ensaio clínico com a planta feito pela reumatologista Maria Cecília Cattai Anauate, de São Paulo. A médica comparou os efeitos da Uncaria com os da garra-do-diabo, outra espécie medicinal estudada por ela, em 40 pacientes com osteoartrite de coluna lombar – uma inflamação que afeta a cartilagem articular principalmente das mãos, da coluna e dos joelhos.

Por seis semanas, 20 pacientes tomaram um fitoterápico de unha-de-gato e 20 o medicamento da garra-do-diabo. “O resultado mostrou que todas as pacientes melhoraram da dor e nenhuma precisou de medicação de resgate, que é dada caso a dor não melhore com o fitoterápico”, explica Maria Cecília. Ela lembra que as contraindicações são as mesmas dos anti-inflamatórios em geral, que devem ser usados com cuidado, por exemplo, por quem tem pressão alta.

Outra pesquisa, esta do Instituto Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, foi feita em 2008 e investigou se a unha-de-gato tem potencial para controlar os sintomas da dengue. Em laboratório, células de defesa do corpo contaminadas com o vírus da doença reagiram com um extrato da Uncaria tomentosa e o resultado foi a diminuição da produção de citocinas, proteínas de resposta inflamatória que deflagram queda da pressão arterial e hemorragia – as principais causas de morte por dengue.

O fitoterápico contra a dengue ainda não existe, mas a espécie tem dado origem a outros remédios. “A partir da Uncaria já estão sendo fabricados medicamentos para inflamações no trato urinário, gastrointestinais, hepáticas e ainda antivirais, sobretudo para pacientes de aids”, afirma Isanete. Há ainda os remédios usados para doenças reumáticas. Uma pesquisa, realizada no Departamento de Medicina Interna do Innsbruck University Hospital, na Áustria, comprovou a tradicional indicação para reumatismos.

Os cientistas testaram um extrato de Uncaria tomentosa em pacientes com artrite reumatoide por 52 semanas (cerca de um ano). Parte do grupo recebeu placebo. Por volta da 24a semana, ou seja, em aproxidamente seis meses, os pesquisadores observaram que na turma tratada com o extrato houve uma maior redução no número de juntas doloridas (em 53% contra 24% nos que tomaram o placebo).

A próxima da lista de males que poderão vir a ser tratadas com a unha-de-gato é a endometriose, doenças que causa cólicas menstruais fortes e infertilidade. O problema acontece porque o tecido que reveste o útero (endométrio) migra para outros órgãos, como ovários e intestinos, causando inflamações. No Ambulatório de Endometriose e Dor Pélvica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), um fitoterápico de unha-de-gato tem aliviado os sintomas da endometriose, o que levou os médicos a investigar melhor os efeitos do medicamento. Primeiro, eles testaram o fitoterápico em ratas e observaram uma redução de 60% nas inflamações. Agora o estudo está na fase clínica, ou seja, o medicamento está sendo testado em pacientes, e novos resultados devem ser divulgados em breve.

Acesse o site Herbarium
Blog da redação
Arquivo de artigos
Categorias
Twitter > direto da redação
  • Infelizmente o Twitter não está disponível. Aguarde alguns minutos e atualize a página
Edições anteriores
  • Veja a edição Fitocosméticos
  • Veja a edição Espinheira-santa
  • Veja a edição Fitoterapia no dentista
  • Veja a edição Dupla dinâmica contra as varizes
  • Veja a edição Plantas amigas do sono
  • Veja a edição Fito-hormônio
  • Veja a edição A vez dos Fitoterápicos

2011-2014 - Revista Herbarium . Todos os direitos reservados | CRH – Central de Relacionamento Herbarium . 0800 723 8383 . crh@herbarium.net